Proposta pedagógica

 

A opção pelo sociointeracionismo não foi por acaso, mas resultado da reflexão sobre que tipos de alunos queremos formar e essa teoria nos possibilita caminhar para a compreensão das estruturas de pensamento do ponto de vista filosófico, antropológico, sociológico e psicológico.

Sendo assim, a aprendizagem é vista como construção resultante da ação da criança sobre o mundo social e da integração da criança com outrem.

Nesta linha, o ser humano é considerado alguém que tem “pré disponibilidade para pensar, para julgar com bases racionais, ou seja, o ser humano é dotado de uma faculdade-mente que se desenvolve para a racionalidade”.

O que Vigotsky defende é que esta faculdade de julgar, pensar e argumentar é uma potencialidade que precisa ser desenvolvida no decorrer da vida. Nessa perspectiva, os valores e conteúdos éticos são contextualizados e dependem do momento histórico, da cultura e da maneira como a sociedade os define.

À medida que a criança constrói e reconstrói a sua visão de mundo, vai tomando a consciência de que existem normas e regras para a melhoria da convivência social. Regras para sobreviver não somente com idéias, mas sobreviver com relações éticas, afetivas e emocionais. Vale ressaltar que o conceito de espírito, alma e mente estão presentes e se manifestam na linguagem e na capacidade de aprender de forma significativa.

Desta forma, o sociointeracionismo permite a argumentação crítico reflexiva sobre as ações, porque o aprender não é visto com o objetivo único de conhecer, mas é fundamental a tentativa de poder viver mais feliz.

Assim, o Centro Educacional busca oferecer possibilidades de que dispõe a educação de hoje, criando um ambiente privilegiado de crescimento, onde o aluno participa efetivamente do seu progresso..